Textos Avulsos em O Capital (ilustramos com Henfil)

Henfil - Queremos Votar

“A política moderna”, diz na mesma época o dr. Richard Price, “favorece as classes superiores da população, e a consequência será que mais cedo ou mais tarde o reino todo será composto unicamente de cavalheiros e mendigos, ou de senhores e escravos.” [2]

 

Henfil - Seca Nordeste

 

Em 1863, realizou-se um inquérito oficial sobre as condições de manutenção e de ocupação dos criminosos condenados à deportação e ao trabalho forçado. Os resultados estão registrados em dois volumosos Livros Azuis.

Henfil - Top

“Uma minuciosa comparação” – diz-se ali, entre outras coisas – “da dieta dos criminosos em prisões da Inglaterra e dos indigentes em workhouses com a dos trabalhadores rurais livres desse mesmo país […] não deixa dúvidas de que os primeiros estão muito melhor alimentados do que qualquer uma das duas outras classes”155, ao passo que “a quantidade de trabalho exigido de um condenado a trabalhos forçados equivale a cerca da metade do executado por um trabalhador agrícola comum.” [2]

 

A seguir, alguns poucos testemunhos característicos:

John Smith, diretor da prisão de Edimburgo, declara:

“N. 5056: ‘A dieta nas prisões inglesas é muito melhor do que a do trabalhador rural comum’. N. 5057: ‘É um fato que os trabalhadores agrícolas comuns da Escócia raramente obtêm alguma carne’. N. 3047: ‘O senhor sabe de algum motivo que obrigue a alimentar os delinquentes muito melhor (much better) do que os trabalhadores agrícolas comuns? – Certamente não’. N. 3048: ‘O senhor considera adequado que se continue a fazer experimentos para aproximar a dieta de prisioneiros condenados a trabalho forçado à dieta de trabalhadores rurais livres?’”157 “O trabalhador rural” – lê-se – “poderia dizer: eu trabalho duro e não tenho o suficiente para comer. Quando estava na prisão, não trabalhava tão duramente e tinha comida em abundância, e por isso para mim é melhor estar na prisão do que em liberdade.” [2]

 

Henfil - Queremos Votar

 

“O trabalho das mulheres nos campos” – diz o dr. Smith – “sejam quais forem os inconvenientes que sempre o acompanham, é, sob as atuais circunstâncias, de grande vantagem para a família, pois lhes proporciona os meios para providenciar calçados, roupas e pagar o aluguel, e, assim, permite que ela se alimente melhor.” [2]

 

Henfil - Privilegiado

 

Para concluir esta seção, temos de nos voltar brevemente à

Irlanda. Primeiro, vejamos os fatos que aqui nos interessam.

A população da Irlanda aumentara, em 1841, a 8.222.664 pessoas; em 1851, reduziu-se a 6.623.985; em 1861, 5.850.309 e, em 1866, 51/2 milhões, isto é, aproximadamente a seu nível de 1801. O decréscimo começou com o ano da fome de 1846, de maneira que, em menos de 20 anos, a Irlanda perdeu mais de 5/16 de sua população181. O número total da emigração de maio de 1851 a julho de 1865 foi de 1.591.487 pessoas, sendo que a emigração durante os últimos 5 anos, 1861-1865 foi de mais de meio milhão. O número de casas habitadas diminuiu, de 1851 a 1861, em 52.990. De 1851 a 1861, o número de arrendamentos de 15 a 30 acres aumentou em 61 mil, e o de arrendamentos acima de 30 acres em 109 mil, enquanto o número total de arrendamentos diminuiu em 120 mil, uma queda que se deve, portanto, exclusivamente à aniquilação de arrendamentos de menos de 15 acres, ou seja, à sua concentração.

Naturalmente, a decréscimo populacional se fez acompanhar, em linhas gerais, de um decréscimo da massa de produtos. Para nosso propósito, basta considerar os 5 anos de 1861 a 1865, durante os quais mais de meio milhão de pessoas emigraram e a número absoluto de habitantes caiu em mais de 1/8 de milhão.

A Inglaterra, um país de produção capitalista desenvolvida e preponderantemente industrial, ter-se-ia extinguido caso tivesse sofrido uma hemorragia populacional como a irlandesa. Atualmente, porém, a Irlanda não é mais do que um distrito agrícola da Inglaterra, da qual é separada por um largo fosso de água à qual fornece cereais, lã, gado e recrutas industriais e militares.

O despovoamento fez com que muitas terras deixassem de ser cultivadas, reduziu muito o produto agrícola186 e, apesar da ampliação da área para a criação de gado, ocasionou uma diminuição absoluta em alguns de seus ramos e, em outros, um progresso que mal merece ser citado, interrompido por retrocessos constantes. [2]

 

Henfil - Julgamento

 

Veja também A Fome


Um comentário sobre “Textos Avulsos em O Capital (ilustramos com Henfil)

Deixe uma resposta