Fetichismo do dinheiro

Gestão de Obra segundo Karl Marx

Fetichismo do dinheiro

Como Aristóteles, Marx argumenta que o sistema de mercado não serve a mero desejo de troca, mas o objetivo do lucro. Para ganhar lucros, o dinheiro deve ser investido e assim se torna capital, resultando em capitalismo. Marx define o capital como “trabalho acumulado”.

Começa o fetichismo do dinheiro. Os homens são avaliados em termos de credibilidade materialista. Isso também se torna um julgamento econômico de sua moralidade. A conseqüência é que a individualidade e a moralidade humana se tornam um veículo para o dinheiro. Os ideais humanos básicos mudam completamente. O objetivo principal dos homens se move para ganhar o máximo de dinheiro possível, colocando tudo em segundo plano. Isso aumenta a formação e o tamanho das lacunas entre o capitalista e o trabalhador, e dá poder aos que são ricos. Isso também significa que os mais pobres se tornam mais dependentes dos ricos, pois são funcionários do rico. Este é um processo bastante infeliz para os pobres, uma vez que eles têm que vender seu trabalho ao capitalista e, em troca, estão sendo pagos salários. No entanto, o capitalista paga salários menores do que o valor agregado pelo trabalhador. Quando ele traz o produto no mercado, o trabalhador tem que comprar o produto a um preço proporcionalmente maior do que ele pode pagar. Assim, torna-se impossível que os pobres construam capital e, por outro lado, é bastante fácil para o capitalista aumentar o seu. É criada uma situação de dissimulação e subordinação dos pobres.

 

Veja também Sentir, Somar e Tocar


Deixe uma resposta